Brassica napus var Napobrassica

A rutabaga conhecida desde a idade média, é uma espécie com uma história recente em comparação com outras espécies da mesma família. Surgiu de um cruzamento espontâneo ou não entre uma variedade de nabo e uma espécie de couve, embora se distingue bem do nabo pois tem as folhas lisas e macias, estas inserem-se num colo cilíndrico e no nabo as folhas estão dispostas em roseta. Muito usada como forragem no norte e centro da Europa, esta raiz é uma delícia de inverno, tem forma redonda, às vezes ligeiramente afunilada e a coloração varia entre o roxo e o amarelo.

Cultura de cultivo semelhante ao do nabo com muita tradição nos territorios mais a norte de Portugal, principalmente na região de Trás-dos-Montes onde o seu uso transporta-nos a tempos mais remotos quando se utilizava muito no período do Natal, substituindo o tradicional bacalhau.

As preferências edafoclimáticas são solos frescos, argilosos e ricos em matéria orgânica.

A cultura de rutabaga intala-se através de sementeira directa ou com a realização de um viveiro (transplante 40 dias após sementeira), sendo o momento mais indicado em Portugal entre Julho a Outubro para a produção outono-inverno, semeia-se directamente ou por viveiro num compasso de cultivo que não deve exceder os 25cm entre plantas e 30 cm entre as linhas, o ciclo vegetal dura em média 3 meses e as primeiras geadas contribuem para a melhora do sabor da rutabaga.

A nossa experiência é que as plantadas em Agosto ou no máximo até a primeira quinzena de Setembro obtêm melhores raízes e de maior dimensão. Para efeito de recolha das sementes, no início do Inverno seleccionamos as melhores plantas, tendo em conta factores como formato, coloração, dimensão e resistência para preservar as características da variedade. Por norma transplantamos os melhores exemplares e plantamos num lugar que consideremos mais apropriado para o efeito. Sendo a rutabaga uma brássica é conveniente deixar o maior número de plantas possível, não se recomenda uma população inferior a seis, também há que evitar ter por perto (mínimo 500metros) outras espécies do mesmo género a florir no mesmo período. A floração surge quando os dias começarem a alongar-se em horas de luz, esta chega de modo rápido e pode estar concluída no final da Primavera. Quando necessário colocar redes de proteção contra pássaros pois é uma semente apetecível e as aves estão cada vez mais localizadas nas poucas hortas existentes. A semente deve ser recolhida quando as silíquas estiverem prestes a abrir, deixá-las secar bem e malhar os espigos de modo a que maior parte das sementes se soltem para a selecção final que será através de uma inicial crivagem seguida de uma limpeza húmida. Quando guardadas em boas condições de conservação, a semente desta espécie pode atingir os 5 anos de viabilidade.

Usos culinários

Como já referido, em algumas regiões no norte de Portugal, o seu uso é específico, nomeadamente como ingrediente tradicional na época natalícia. As rutabagas podem ser consumidas de diversas formas, embora algumas pessoas preferem-na crua em saladas, outras gostam dela cozida, a vapor ou assada, sendo mais usada em ensopados e cozidos.

Feijoada de Rutabaga
Ingredientes:
– 2 rutabagas
– 1 pimento Nora Quatro Cantos
– 250gr de feijão Moleiro
– Couve Penca
– 1 cebola Bronze da Pena
– 2 cenouras Morada
– 2 dentes Alhos Roxo de Sendim
– Folhas fresca de cebola
– Azeite
– Aromáticas: salsa, folha Aipo, coentros
– Sal q.b

Colocar previamente o feijão de molho pelo menos 8 horas antes e cozer até ao ponto desejado. Cortar todos os legumes numa dimensão semelhante e juntar o azeite e sal, numa panela de tamanho médio, manter em lume brando e saltear durante 5-10 minutos, com as folhas da cebola fresca e coentros prepara-se um caldo para juntar á feijoada, cozendo as ramas num fervedor uns 5 minutos, depois juntar ao salteado, na quantidade que não cubra na totalidade os vegetais, depois de evaporar parte do caldo no salteado, pica-se o alho e junta-se ao feijão previamente cozido, juntando os dois ao salteado, misturar bem e deixar apurar o sabor ao gosto pessoal e criativo.

Rutabaga Grelhada
Ingredientes:
– 1 rutabaga
– Molho Soja
– Gordura vegetal (óleo de coco, Azeite etc)

As melhores frigideiras para o efeito são as de ferro fundido, as rutabagas são cortadas em fatias circulares nem muito finas nem grossas, para que mantenha a sua textura até ao final, olear a frigideira e manter em lume brando, até que esteja com temperatura suficiente, grelhar dos dois lados até obter a textura desejada, no final temperar com molho de soja e mais gordura vegetal.